The Hop - experiências culturais incríveis

Na The Hop você encontra experiências culturais incríveis organizadas por pessoas apaixonadas pelo que fazem. São experiências de todo tipo - música, gastronomia, esporte, cinema, arte, moda, etc. E o melhor é que você também pode organizar a sua própria experiência, basta transformar uma habilidade sua em uma atividade interativa!
Recent Tweets @TheHopCommunity

O que você vai fazer hoje?

Que tal ler mais, viajar mais, trabalhar menos, ouvir mais música, brincar mais, fazer mais cursos, dirigir menos, pedalar mais, se planejar menos, fazer uma bagunça…?

Posts relacionados:

O que você quer aprender?

O verdadeiro papel das férias

A The Hop está no ar!!!

Conheça nosso novo site com mais de 50 experiências incríveis para aproveitar a vida fazendo o que ama!

www.thehop.com.br \o/

Troque suas lentes!

Como você enxerga o mundo? A grande maioria das pessoas reclama o tempo inteiro e não procura soluções. Nós estamos quase sempre com algum problema, e o mundo tem outros milhares. Mas olhar para eles e não se mexer, se deprimir, reclamar, não adianta em absolutamente nada. Os problemas estão ai para serem resolvidos. 

Então vamos trocar as lentes e enxergar o mundo com outros olhos. Quando pensamos positivo, atraímos coisas boas, gente boa. Soluções. Nós vivemos aquilo que escolhemos pra gente, e mais ninguém pode fazer algo a respeito. Ou seja, tudo depende de você. Você enxerga aquilo que quer, podendo filtrar da maneira que quiser, colorir, focar, adicionar molduras, apagar outras coisas, e por aí vai. Afinal, a vida é boa demais para perdermos tanto tempo no preto e branco. 

Posts relacionados: 

Qual o seu propósito de vida? 

Tente algo novo todos os dias

Dê fim correto a suas cascas!

Você que está indo trabalhar, com pressa, atrasado, ou indo fazer compras, passeando com a família, por que não parar na calçada e aprender a manejar minhocários urbanos?

Na semana passada nós da The Hop e nosso guia Ricardo Thaler - do Cadico Minhocas - fomos na Av. Paulista realizar mais uma intervenção. 

Em meio a um protesto do sindicato dos motoboys, lá estávamos nós: conversando com o público, conscientizando todo mundo e mostrando todos os benefícios de ter um minhocário. Sim! É possível ser sustentável em casa, trabalhar com composteiras e dar o fim correto aos nossos alimentos. Nós carregávamos somente um cartaz e é claro, um minhocário. Era só começar a olhar dentro das caixas que todos que passavam queriam parar, olhar, perguntar e até mesmo cheirar! Pois é, diferente dos minhocários comerciais, o minhocário do Ricardo Thaler é feito a partir de materiais reutilizados, que seriam considerados lixo por outras pessoas, mas que para ele é a matéria prima da construção da estrutura capaz de dar fim correto ao resíduo orgânico e gerar um húmus de minhoca maravilhoso como substrato na horta caseira.

Foi incrível como as pessoas iam se juntando rapidamente para conhecer o minhocário no meio da rua.  Ricardo - permacultor consciente - busca disseminar técnicas milenares de cuidados com a terra sem os abusivos preços de mercado, e pretende mostrar que ser sustentável é fácil, simples e barato. Durante as duas horas que ficamos lá na Paulista, acho que conseguimos passar esse recado! ;)

O objetivo das intervenções The Hop é exatamente este: provocar reflexões, sensibilizar o público e impactar a sociedade positivamente de alguma maneira. Teremos intervenções como esta sempre! Fiquem de olho! =D

Saiba mais em: http://cadicominhocas.blogspot.com.br/

Posts relacionados:

O que você quer aprender?

Vinícius Zorzo ama ecologia

Faça algo novo todos os dias

Você também é barman!

Todo mundo quer saber como preparar bons drinks no esquenta em casa com os amigos, longe da velha vodka com energético que ninguém aguenta mais. Além disso, quem não quer curtir uma noite diferente e conhecer gente nova?

Resolvemos este problema! Sexta passada tivemos a nossa primeira experiência de drinks: “Você também é barman”, que foi o maior sucesso! Por que será? Bom, pra começar, o espaço - albergue Saci - é uma delícia e totalmente descontraído. A galera estava muito animada, e ao contrário do que fazemos na nossa rotina, todos interagiram entre si e fizeram novas amizades! Obviamente, além disso tudo, todo mundo se divertiu e aprendeu demais com as competições, desafios e dicas dos nossos queridos barmans - Gui e Zuka. No final, terminamos com chave de ouro com entrada VIP na balada (The Clash). E ahh, tudo isso por apenas R$60,00.

Acredito que ninguém queria sair de lá pronto para ser profissional, e sim aprender em um ambiente animado as diversas técnicas de fazer drinks para melhorar o esquenta com os amigos e fazer em casa o que só víamos em festas e casamentos! Além de aprender a preparar os tradicionais Sex on the beach, Cosmopolitan e Dry Martini, tivemos os inusitados “Cajuzinho”, Power Blue, entre outros, e no final todos ainda puderam usar a criatividade para inventar seus próprios drinks e descobrir as mais diversas combinações!

Nosso querido barman Zuka confirma tudo isso:

"Foi uma experiência incrível: com os 13 participantes e colaboradores presentes, passamos o que sabemos de melhor - a elaboração de ótimos drinks e curiosidades do cotidiano de um barman por meio da troca de experiências com todos que estavam lá. Sendo assim, todos conseguiram aprender, conhecer e compartilhar os diversos desdobramentos e usos da coquetelaria e do universo dos drinks".

Para quem quiser participar dessa experiência incrível, teremos várias edições rolando todo mês! São experiências únicas, cada vez com um grupo e tema diferente: a última foi vodka e gin, a próxima será tequila, rum e cachaça, depois teremos whisky, cerveja, espumante e saquê, e por aí vai. 

A The Hop acredita que o aprendizado coletivo, em que todos interagem de verdade e compartilham seus conhecimentos, é uma experiência muito mais rica e única. Venha participar das próximas experiências! ;)

Posts relacionados:

Manual do Explorador

Faça algo novo todos os dias

O que você quer aprender?

Sincronicidade: o que é?

Pegamos esse post emprestado do nosso querido amigo Artur Tavares, em seu blog “Positive-se” (positivese.com). É simplesmente genial:

Já ouviu falar do termo “sincronicidade”? Bom, possivelmente você já vivenciou e não sabe. Conheci por um grande amigo, que é bastante inteligente, recentemente! Rs

Sincronicidade é o “fator invisível” que faz com que o universo conspire ao seu favor a partir do momento que você se compromete e começa a executar algo em sentido de uma finalidade específica. Por exemplo: você pensa em montar um projeto social, e, de repente, ao iniciar seus esforços nesse sentido, vão surgindo pessoas e recursos no seu caminho que colaboram com a implementação deste projeto! Já experimentou isso? Pois é, sincronicidade. =)

E o detalhe mais importante é: INICIAR! Não ficar preso ao excesso de planejamento, aos medos (que muitas vezes se fantasiam de excesso de planejamento) etc.!
Botar pra fazer é um fator fundamental! Digo por experiência própria no universo do empreendedorismo. =)

Finalizo com dois materiais que envolvem o tema sincronicidade:

“Antes do compromisso,
há hesitação, a oportunidade de recuar,
a ineficácia permanente.
Em todo ato de iniciativa (e de criação),
há uma verdade elementar
cujo desconhecimento destrói muitas idéias
e planos esplêndidos:
no momento em que nos comprometemos de fato,
a Providência também age.
Ocorre toda espécie de coisas para nos ajudar,
coisas que de outro modo nunca ocorreriam.
Toda uma cadeia de eventos emana da decisão,
fazendo vir em nosso favor todo tipo
de encontros, de incidentes
e de apoio material imprevistos
que ninguém poderia sonhar
que surgiria em seu caminho.
Começa tudo o que possas fazer, ou que sonhas poder fazer.
A ousadia traz em si o gênio, o poder e a magia.”
Goethe

Espero que tenha sido como luz!

E que a força do medo que você tem não te impeça de ver, nem de realizar, o que você anseia (metade).

De coração,

Artur

Posts relacionados:

Esteja preparado para aprender “por acaso”: Serendipidade – você sabe o que é?

Refletindo sobre um dia comum em nossas vidas

Qual o seu propósito de vida?

Li esse artigo hoje no blog Ecologia Pessoal (http://ecologiapessoal.wordpress.com) e gostei demais. Vale a pena ler… ;)

Oscar Motomura aborda a importância de se definir um propósito de vida, tanto no âmbito pessoal como profissional. Além disso, destaca a importância de se ter significado para aquilo que se faz e os diferentes níveis de evolução da jornada individual de cada pessoa.


Busca por uma utopia?
Essa ideia de pessoas terem dificuldades, às vezes, em definir seus propósitos de vida é um fenômeno interessante. Isso porque algumas pessoas têm dificuldade até de se comprometer com algo que parece difícil e mais ainda quando a própria expressão do propósito dá uma ideia de perfeição. Aparentemente é uma rejeição maior ainda, porque a pessoa se vê numa situação em que está buscando um ideal, que talvez acredite que não vá alcançar.

Então, é um pouco dessa ideia do utópico, que está muito presente na evolução da humanidade e que nesses séculos de evolução – para um mundo muito mais material -, acabou-se chegando a um ponto em que a gente acha que o utópico não somente é inalcançável, mas alguma coisa até meio pueril, é a visão dos cínicos, que se contrapõe a essa visão da busca… Como é impossível, então, pra que a gente faz isso, se nunca vai alcançar?

Definir um propósito
Não precisa ser muito complicado na definição do propósito, mas basta algo que seja uma referência, que guie as ações do dia a dia. É assim: eu tenho um trabalho, eu tenho uma profissão, tenho talento em algumas áreas e eu gostaria de colocar isso à disposição no meu dia a dia para ajudar a criar um mundo melhor. Já não fazer coisas que prejudiquem a realização de um mundo melhor, já estaria bom. Mas é claro que isso não satisfaz muitas pessoas.

Estágio de evolução
É como se fosse um estágio de evolução diferente ao se falar de propósito, também nada muito difícil. A pessoa pode se posicionar dessa forma em qualquer profissão, em qualquer trabalho, mas, ultimamente, nós temos trabalhado com a ideia do propósito também quase como uma ideia de não-propósito. Você não precisa definir empresarialmente um objetivo, uma missão, e que leva a um tipo de rejeição natural das pessoas, porque a pessoa diz: “bom, eu não sou uma empresa que tem que definir uma missão, definir objetivos, metas, planejamento de vida e tal… e até, daqui a pouco, vão dizer que eu preciso de um belo scorecard pra minha vida”.

Então é quase uma caricatura que leva a um tipo de rejeição, mas ultimamente nós temos trabalhado com essa ideia de que a forma mais elevada e mais simples de expressar o seu propósito é você conseguir a cada instante, cada momento da sua vida, ser a melhor expressão da melhor versão de si mesmo. Ele é abstrato, mas muito simples também.

Fonte: Ecodesenvolvimento.org.br

Posts relacionados:

Você está fazendo o que ama?A evolução do conceito de trabalhar e viver com as gerações

O verdadeiro papel das férias em nossas vidas – não adianta viajar para fugir.

Você está fazendo o que ama? Você ama o seu trabalho e está indo atrás daquilo que te satisfaz?

Para os Baby Boomers: Sucesso = estabilidade. Manter as coisas simples era o lema de trabalho nos anos 60 e 70. Ao escolher uma carreira, essa decisão seria praticamente para o resto da sua vida.

Geração X: Sucesso = ser novo e rico. O workaholic tornou-se alguém admirável e sexy. Dependiam de diplomas e mestrados para se destacar dos concorrentes.

Millennials: Sucesso = prazer. O prazer determina a realização profissional e eles sabem reconhecer oportunidades  que combinam paixão com trabalho como ninguém. Economia criativa, novas profissões, o boom do empreendedorismo e a nova força coletiva pintam um cenário brilhante.

Hoje nós queremos experiências engajadoras. É mais importante curtir o caminho do que chegar ao destino final.  Além de ter um emprego, é fundamental encontrar um propósito que possa ser exercido de várias formas ao mesmo tempo. Queremos desenvolver novas habilidades, precisamos nos sentir autônomos e gostamos de participar e criar em colaboração

Sendo assim: Você está fazendo o que ama agora? Por favor, se ainda não começou, não perca tempo! Descubra o seu propósito de vida e faça-o acontecer.

Vídeo feito pela Box1824  

Posts relacionados:

Fomos às ruas comprovar que todo mundo tem algo que quer aprender.

Já conhece a The Hop? Venha aproveitar a vida fazendo o que ama

Você já parou para pensar qual é o verdadeiro papel de viajar nas nossas vidas?

Viajar nas férias é sempre legal, isso você sabe. O que você não sabe é que as viagens têm um papel muito importante na sua qualidade de vida, mesmo quando elas já terminaram.

Um dos melhores estudos realizados a cerca deste tema é de Joseph Sirgy, um turismólogo na Virginia Tech, uma universidade respeitada nos Estados Unidos.

Sirgy escreveu um artigo baseado na “teoria das metas” da psicologia que foi premiado em 2010 pelo Journal of Travel Research como o melhor do ano. Segundo ele, para que tragam efeitos positivos duradouros, as férias devem ser vistas como parte das suas metas de realização pessoal. Em outras palavras, a idéia seria aplicar nossas metas pessoais de vida nos roteiros de férias para torná-las mais significativas e prazerosas, melhorando, assim, também as relações interpessoais, a auto-estima e o nosso conhecimento do mundo.

Para seguir este princípio, as dicas seriam:

1) Preferir metas intrínsecas a extrínsecas. Metas intrínsecas têm valor em si e incluem pontos como reparar relações familiares, ajudar as pessoas necessitadas, melhorar a saúde, etc. Já metas extrínsecas podem incluir, por exemplo, ganhar muito dinheiro.

2) Escolher metas de alto nível ao invés de baixo nívelMetas de alto nível são mais abstratas, como “quero entender culturas diferentes da minha.” Já metas de baixo nível são mais concretas, como “quero visitar três museus em cada um de três países”. O interessante é que qualquer meta de alto nível precisará de metas de baixo nível para ser implementada, mas o importante é reconhecer que o verdadeiro fim é são as metas mais amplas.

3) Levar em conta que metas que tratam de crescimento pessoal são melhores do que as que satisfazem só necessidades básicas. Ou seja, as férias dedicas a só descansar na praia terão efeitos menos duradouros do que as que procurarem algo mais pessoal, como explorar a cultura do país de origem dos seus avós.

4) Metas que buscam encontrar algo positivo ao invés de fugir de algo negativo. A viagem que se faz para “deixar de pensar no trabalho”, então, têm menos efeito positivo do que a viagem para “aprender a cozinhar comida italiana”. Mais uma vez, é só mudar a forma de pensar: sua viagem para uma escola de gastronomia em Roma também pode (e deve) servir para escapar do cotidiano. Só que tem conseqüências duradouras também.

5) Metas que levam em conta o que falta na sua vida diáriaImagine dois casais que vão passar uma semana em uma praia do Caribe – o primeiro mora nas montanhas do interior de Santa Catarina, o outro em Ipanema a dois quarteirões de Posto 9. Qual vai aproveitar mais? Embora essa seja a praia mais sossegada e mais diferente de Ipanema que se possa imaginar, ainda é praia, o que os cariocas já têm. Melhor viajar para as montanhas do Nepal.

Assim, o ponto é pensar nas viagens como uma parte importante dos seus objetivos de vida, e não apenas uma situação de descanso ou escape. Por isso a partir de agora, quando viajar, procure sempre oportunidades para crescer como pessoa, desenvolver novos interesses, aprender algo ou ficar mais saudável. Para isso, o mais importante de tudo é saber que o melhor souvenir são memórias inesquecíveis!

 

Adaptado de: http://colunistas.ig.com.br/viagens/2012/01/04/como-as-viagens-afetam-a-vida-das-pessoas/

Posts relacionados:

Esteja preparado para aprender “por acaso”: Serendipidade – você sabe o que é?

Qual o seu propósito de vida? A evolução da jornada individual de cada pessoa depende do significado que ela atribui ao que faz.

O que você quer aprender? Nós fomos às ruas comprovar que todo mundo tem algo que quer aprender.

Agradecemos à Juliana Kalil, que teve a coragem de pular de pára quedas para nos conceder esta foto!

"Nós somos o que fazemos repetidamente. A excelência, assim, não é um ato, mas um hábito."
- Aristóteles

Cada dia é diferente do anterior e deve ser tratado como tal. A mudança é um elemento necessário em nossas vidas e, por isso, devemos tornar um hábito tentar algo novo (de preferência uma coisa positiva) todos os dias.

Muitas vezes somos contra a mudança, sem perceber que ela é, de fato, o tempero da vida. Por isso, a maioria das pessoas reluta em tentar algo simplesmente porque sair da zona de conforto exige bastante esforço.

Contudo, fazer algo novo é sempre um marco em nossa vida. Você pode fazer o que quiser um milhão de vezes, mas apenas uma vez pela primeira vez. E é por isso que estas primeiras experiências, mesmo quando pequenas, são tão fortes. Acima de tudo, elas mostram como o mundo é imenso e como há coisas incríveis a serem descobertas.

Por este motivo, propomos um desafio: experimente tentar algo novo a cada dia pelos próximos 30 dias. Pode ser uma coisa grande ou pequena, não importa. O ponto é que isso lhe abrirá portas para uma vida muito mais rica, criativa e cheia de oportunidades.

Aqui vão algumas sugestões:

  1. Experimente um alimento novo
  2. Tire uma foto de algo que gosta
  3. Procure um lugar novo na sua cidade
  4. Cozinhe sua própria refeição
  5. Tente ouvir (ou tocar!) um gênero de música diferente
  6. Reascenda um antigo hobby
  7. Largue a televisão
  8. Faça um caminho diferente do que você está acostumado
  9. Faça arte de alguma forma
  10. Faça você mesmo seus próprios presentes
  11. Leia sobre algo em que não acredita
  12. Medite
  13. Observe a beleza ao seu redor
  14. Distribua elogios
  15. Tente relaxar – mas de verdade
  16. Leia um livro em outra língua
  17. Encontre velhos amigos
  18. Faça novos amigos
  19. Mude o seu visual
  20. Libere sua energia criativa
  21. Abra sua mente
  22. Escove os dentes com a outra mão
  23. Experimente um novo esporte
  24. Cultive uma planta
  25. Escreva uma carta a mão
  26. Acorde um pouco mais cedo
  27. Acompanhe um amigo a algum lugar que você nunca foi
  28. Ouça uma nova história
  29. Apóie um movimento social
  30. Passe seu conhecimento adiante

Tem outras idéias? ;)

Posts relacionados:

O verdadeiro papel das férias em nossas vidas – não adianta viajar para fugir.

Um manual do explorador para quem quer aproveitar o mundo

A palavra “serendipidade” refere-se a descobertas afortunadas que são feitas, aparentemente, por acaso.

Nos dias de hoje, a serendipidade é considerada como uma forma especial de desenvolver o potencial criativo de uma pessoa adulta por meio da perseverança, inteligência e senso de observação. Em outras palavras, ela significa que estar aberto ao mundo e a novos conhecimentos pode levar a mente muito adiante.

A história da ciência está repleta de casos que podem ser classificados como serendipidade. Arquimedes, por exemplo, descobriu como verificar se a coroa do rei era de ouro enquanto tomava banho (princípio da hidrostática). Já Alexander Fleming descobriu a penicilina enquanto limpava seu laboratório ao voltar das férias.

A origem da palavra está na expressão inglesa (“serendipity”) criada pelo escritor britânico Horace Walpole, em 1754, a partir do conto persa infantil “Os três príncipes de Serendip”. O conto relata a história de três príncipes do Ceilão (atual Sri Lankaque viviam fazendo descobertas inesperadas. Graças à sua capacidade de observação e sagacidade, eles descobriam “acidentalmente” a solução para dilemas impensados. E esta característica os tornava especialmente importantes não por terem um dom especial, mas sim por terem a mente aberta para múltiplas possibilidades. Afinal, como já diria Louis Pasteur, “o acaso só favorece a mente preparada”.

A vida não teria a menor graça se não pudéssemos aprender a cada instante e eternamente. Serendipe-se, e abra a sua mente para aprender com os acasos incríveis da vida. 

 

Posts relacionados:

Um manual do explorador para quem quer aproveitar o mundo

Você está fazendo o que ama? A evolução do conceito de trabalhar e viver

O que você quer aprender?

Nós fomos às ruas comprovar que todo mundo tem algo que quer aprender. E tem mesmo!

Desenhar, cantar, meditar, cozinhar, tocar um instrumento, costurar, plantar bananeira…

É maravilhoso ver como o ser humano tem infinitas coisas a aprender e como a curiosidade pode ser sua maior força!

E você? Qual é a próxima coisa que você quer aprender?

Posts relacionados:

Esteja preparado para aprender “por acaso”: Serendipidade – você sabe o que é?

Sincronicidade: o universo conspirando a seu favor

Viver momentos únicos, conhecer gente diferente, seguir de perto experiências incríveis, fazer parte do universo The Hop. Por que você não se junta a nós? Venha ser um embaixador!! 

O que é?

O Embaixador The Hop é o nosso representante nas comunidades locais. É aquela pessoa que gosta de novidades, de conhecer pessoas e lugares diferentes, além de trazer experiências incríveis para a The Hop. Não só isso, o embaixador apoia os nossos ideias e estimula as pessoas a difundirem seu talento e conseguirem uma renda extra fazendo o que amam.”

Será que eu tenho o perfil?
Ser um Embaixador The Hop é uma oportunidade única para pessoas curiosas, mobilizadoras e que querem viver o mundo muito mais. Se você se considera uma pessoa criativa, bem relacionada e que gostaria de conhecer novos lugares, provavelmente será um bom Embaixador!

Como Embaixador, o que eu faria?
Em linhas gerais, as atividades de um Embaixador são:

- Procurar atividades diferentes e pessoas talentosas em sua cidade
- Representar a The Hop em eventos, conversar coma a imprensa e orientar os guias
- Participar de experiências gratuitamente, registrando os melhores momentos com vídeos, fotos e depoimentos
- Conhecer lugares, pessoas e atividades incríveis
- Desfrutar de convites VIPs em eventos e encontros The Hop.

Curti! E agora, o que eu faço?
Mande um e-mail para contato@thehop.com.br e nós logo entraremos em contato com você!

 

Posts relacionados:

Já conhece a The Hop? Venha aproveitar a vida fazendo o que ama

Será que você usa mesmo o seu tempo para aproveitar a vida?